O segredo de um casamento duradouro

Logo no início escolho me despedir de vocês: leitoras, parceiras e amiga Pati. Aqui encerramos está serie #SeValorizaNoCasamento. Para mim, caminhar com vocês durante este tempo, sem dúvida foi desafiador e prazeroso. Agradeço muito a oportunidade e desejo que momentos como este se repitam. Um grande abraço!

O texto está denso e repleto de esperança e verdade que eu mesma testemunho em minha vida conjugal. Sugiro uma leitura e releitura. Vamos lá?

O SEGREDO DE UM CASAMENTO DURADOURO

Será que existe resposta para esta pergunta? Vou te contar a minha conclusão após observação, pesquisa e vivência. Quer uma resposta rápida? PERDÃO E RECOMEÇO.

Mas vamos digerir um pouco:

“Alguém já disse que o casamento não é um mar de flores. E não é mesmo.
Se há uma instituição impregnada de problemas, essa é o casamento. Em uma união
matrimonial, casais discutem, desentendem-se, brigam, outros até brigam em excesso,
ficam de mal feito criança, dormem em camas separadas, falam mal um do outro
às outras pessoas, traem-se… No casamento tem de tudo: problemas financeiros,
opiniões divergentes, esfriamento sexual, intromissão no dever do outro, dos familiares,
amigos… Todo mundo sente-se no direito de meter a mãozinha… Na vida de casados,
um magoa profundamente o outro. Algumas vezes dizem não aguentar mais. O casamento
se transforma em um ringue, onde, de casais apaixonados tornam-se opositores, inimigos, adversários. Com tanta coisa ruim, parece que não há esperanças” (Fernando César)

“Nuvens e raios sobre o sertão
Avisa lá que está chovendo
É o fim da sequidão
Diz ainda que a gente
Conseguiu sobreviver à dor
E Deus mandou a chuva”.
(Kleber Lucas)

O casamento existe para ser ressuscitado, restaurado, amado, refletido, investido e novamente acreditado. O casamento foi inventado, criado, desenhado, arquitetado, projetado e finalmente executado por Deus. “Venerado dentre todos é o matrimônio” (Hebreus 13:4).

“Desistir… eu já pensei seriamente nisso, mas nunca me levei realmente a sério;
é que tem mais chão nos meus olhos do que o cansaço nas minhas pernas,
mais esperança nos meus passos, do que tristeza nos meus ombros, mais estrada
no meu coração do que medo na minha cabeça.” (Cora Coralina)

O sofrimento as vezes é necessário, e é uma ferramenta de crescimento e mudança. Conscientes ou não, somos culpados dos erros e enganos, mas devemos ser humildes para reconhecer isto e maduros para pedir perdão, corrigir a rota e prosseguir tentando acertar. Sendo flexiveis e moldáveis, com um espiríto ensinável.

“Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela
velha opinião formada sobre tudo”. (Raul Seixas)

Graças a Deus pela misericórdia que nos renova, levanta, amplia a visão, trás sanidade em meio ao caos e nos faz acreditar que existe vida após a destruição.

De Deus vem todo o sustento.

A caminhada de sucesso certamente é feita de bons e maus momentos, amor pleno e desgaste total. O cansaço chega em qualquer relacionamento. Desconheço quem conseguiu manter a chama acesa e contínua ao longo dos anos, mesmo seguindo a todos os bons conselhos (cultive o romance, gaste momentos a dois, vez por outra é necessário a temida DR, sempre coloque seu casamento em primeiro lugar, mantenha a intimidade e paixão, cuide de sua aparência, entre outras).

O maior segredo é perdoar e recomeçar. Redescobrir a vida JUNTOS e reconstruí la com fé e tolerância. Um casamento é formado por duas pessoas, e o êxito da relação dependerá dos dois. Certamente haverá momentos em que um fraquejará e será a força e fé do outro que manterá o
relacionamento. Obstáculos e desentendimentos que provocam desânimo são normais, hoje o que percebemos é que a grande maioria dos casais desistem nestes momentos. Para aqueles que optam pela resiliência, insistem e persistem, experimentarão um nível de maturidade e de relacionamento que certamente fará valer todo seu esforço e investimento.

Muitos casais chegam ao fim, olham para frente e não conseguem ver esperança para prosseguir. É que o pra sempre não é um caminho plano é uma escada, onde cada degrau é um recomeço, e a força e impulso necessários para subir são gerados pelo perdão.

Nenhum casamento tem morte súbita. Casamento morre aos poucos, morre com as palavras e atitudes duras, morre com a indiferença, morre pela falta de zelo, de proteção, de cuidado, de carinho, de elogios, de unidade, de compromisso. As feridas vão surgindo e não sendo tratadas, as mágoas tomam conta como um câncer se alastrando. Não se constranja em buscar ajuda! Existe muita gente boa e competente, profissional ou não, acessível para ajudar. Quando a gente permite licença, entregamos o cansaço, reconhecemos nossas limitações, abrimos nosso coração e a misericórdia de Deus entra. E assim a gente vai aprendendo que o amor é um verbo de ligação que se renova.

É claro que ninguém precisa passar por momentos extremos de morte e vida para cuidar de seu casamento. Um bom casamento se faz aos poucos, se conquista gradativamente, se edifica junto com cuidado, persistência e determinação. Decida fazer o seu melhor pelo outro, invista, não cobre, acredite, valorize, tenha um olhar de amor, elogie, perdoe e evite criticar.

O casamento não depende apenas de um sim, mas de um sim após o outro. Permanecer firme no casamento não é algo que se faça apenas por vontade, mas por decisão. Casamento é se doar, se submeter, ceder.

Encerro com um texto de Arnaldo Jabbor:

O divórcio

“Meus amigos separados não cansam de perguntar como consegui ficar casado 30 anos com a mesma mulher. As mulheres sempre mais maldosas que os homens, não perguntam a minha esposa como ela consegue ficar casada com o mesmo homem, mas como ela consegue ficar casada comigo.

Os jovens é que fazem as perguntas certas, ou seja, querem conhecer o segredo para manter um casamento por tanto tempo. Ninguém ensina isso nas escolas, pelo contrário. Não sou especialista do ramo, como todos sabem, mas dito isso, minha resposta é mais ou menos a que segue: Hoje em dia o divórcio é inevitável, não dá para escapar. Ninguém aguenta conviver com a mesma pessoa uma eternidade. Eu, na realidade já estou no meu terceiro casamento – a única diferença é que casei três vezes com a mesma mulher. Minha esposa, se não me engano está em seu quinto, porque ela pensou em pegar as malas mais vezes que eu.

O segredo do casamento não é a harmonia eterna. Depois dos inevitáveis arranca-rabos, a solução é ponderar, se acalmar e partir de novo com a mesma mulher. O segredo no fundo é renovar o casamento e não procurar um novo casamento.

Isso exige alguns cuidados e preocupações que são esquecidos no dia-a-dia do casal. De tempos em tempos, é preciso renovar a relação. De tempos em tempos é preciso voltar a namorar, voltar a cortejar, seduzir e ser seduzido. Há quanto tempo vocês não saem para dançar? Há quanto tempo você não tenta conquistá-la ou conquistá-lo como seu par fosse um pretendente em potencial? Há quanto tempo não fazem uma lua de mel, sem os filhos eternamente brigando para ter a sua irrestrita atenção?

Sem falar dos inúmeros quilos que se acrescentaram a você depois do casamento. Mulher e marido que se separam perdem 10 kg em um único mês, por que vocês não podem conseguir o mesmo? Faça de conta que você está de caso novo. Se fosse um casamento novo, você certamente passaria a frequentar lugares novos e desconhecidos, mudaria de casa ou apartamento, trocaria seu guarda-roupa, os discos, o corte de cabelo, a maquiagem. Mas tudo isso pode ser feito sem que você se separe de seu cônjuge.

Vamos ser honestos: Ninguém aguenta a mesma mulher ou o mesmo marido por 30 anos com a mesma roupa, o mesmo batom, com os mesmos amigos, com as mesmas piadas. Muitas vezes não é a sua esposa que está ficando chata e mofada, é você, são seus próprios móveis com a mesma desbotada decoração. Se você se divorciasse, certamente trocaria tudo, que é justamente um dos prazeres da separação. Quem se separa se encanta com a nova vida, a nova casa, um novo bairro, um novo circuito de amigos.

Não é preciso um divórcio litigioso para ter tudo isso. Basta mudar de lugares e interesses e não se deixar acomodar. Isso obviamente custa caro e muitas uniões se esfalecem porque o casal se recusa a pagar esses pequenos custos necessários para renovar um casamento. Mas se você se separar, sua nova esposa vai querer novos filhos, novos móveis, novas roupas e você ainda terá a pensão dos filhos do casamento anterior. Não existe essa tal “estabilidade do casamento”, nem ela deveria ser almejada.

O mundo muda, e você também, seu marido, sua esposa, seu bairro e seus amigos. A melhor estratégia para salvar um casamento não é manter uma “relação estável”, mas saber mudar junto. Todo cônjuge precisa evoluir, estudar, aprimorar-se, interessar-se por coisas que jamais teria pensado em fazer no início do casamento.

Você faz isso constantemente no trabalho, porque não fazer na própria família? É o que os seus filhos fazem desde que vieram ao mundo, portanto descubra a nova mulher ou o novo homem que vive ao seu lado, em vez de sair por aí tentando descobrir um novo interessante par.

Tenho certeza que seus filhos os respeitarão pela decisão de se manterem juntos e aprenderão a importante lição de como crescer e evoluir unidos apesar das desavenças.

Brigas e arranca-rabos sempre ocorrerão: por isso de vez em quando é necessário se casar de novo, mas tente fazê-lo sempre com o mesmo par. Como vê, NÃO EXISTE MÁGICA – EXISTE COMPROMISSO, COMPROMETIMENTO E TRABALHO – é isso que salva casamentos e famílias.”