Filhos! Quando, Como e Porque?

Podemos dizer, que ter um filho é uma escolha. Escolha porque temos diversos recursos anticoncepcionais para evitá-los, porque as técnicas de reprodução assistida estão cada vez mais acessíveis e até disponibilizadas no sistema público de saúde, e porque sempre existe a opção pela adoção.

Não há dúvidas de que a fertilidade natural vai diminuindo ao longo da vida. Mesmo assim, é cada vez mais comum as mulheres terem filhos mais tarde, um estudo foi realizado por cientistas britânicos e foi publicado na revista especializada “Health and Social Behavior”, depois de toda a análise, o estudo concluiu que entre 34 e 35 anos é o período ideal para a gravidez de uma mulher acontecer, isto considerando as implicações biológicas, sociais e financeiras.

É bem verdade que, a vida da gente não pode ser decidida por uma estatística. Nossa realidade, emoções e opções não podem ser generalizadas. Somos seres individuais e uma escolha tão séria como gerar um filho, deve ter muito planejamento e considerações. Os estudos, opiniões, experiências alheias e referências servem para nos nortear e munir de conceito e conteúdo prático para a melhor decisão.

É importante saber que um filho traz muitas alegrias, mas também algumas privações. Uma criança exige tempo e dedicação. Ter um filho envolve comprometimento, responsabilidade e doação. A decisão deve ser sempre do casal, precisamos considerar que filho vem com vontade e necessidade próprias, e a primeira e mais importante delas é ter um pai e uma mãe que possam nutri-lo de amor e afeto. Quando decidimos ter um filho pensamos em cada detalhe. Fazemos projeções sobre como cada coisa tem que acontecer, entretanto, não se esqueça que é praticamente impossível que tudo ocorra exatamente como o planejado, esteja preparada para as mudanças que seus planos podem sofrer.

Filho não resolve nenhuma situação em sua vida, ao contrário, muitas vezes eles criam obstáculos que só a vontade real de gera-los pode superar. Então se você quer ter filhos para melhorar seu casamento ou para diminuir sua solidão, repense essa decisão. Filho não é a solução para nenhuma crise conjugal e não evita o naufrágio do casal. Pelo contrário, nos primeiros tempos, uma criança significa uma revolução tão grande que até os mais sólidos casamentos podem balançar temporariamente.

A futura mamãe precisa entender que, por um período a sua vida profissional vai andar em ritmo mais lento, pois a maternidade é altamente exigente, principalmente no início. É a mulher quem irá abrir mão de seu corpo e suas horas de sono desde a gestação. Será seu colo que na maioria das vezes acalmará e acalentará seu filho. E para o futuro papai é preciso ter uma dose generosa de compreensão e cumplicidade. A rotina do casal mudará drasticamente, a intimidade certamente será afetada, haverá um impacto financeiro inevitável, e talvez alguns projetos precisarão ser adaptados ou adiados. Mas acalme-se! Não é necessário abrir mão de tudo, muito menos para o resto da vida, por isto é tão importante um planejamento.

É um gesto de generosidade abrir mão de si mesmo para cuidar e guiar a vida de outra pessoa. É uma oportunidade de passar tudo de bom, que você aprendeu, e se eternizar no outro. Só vocês dois, como casal, podem avaliar e juntos chegarem a decisão. E se optarem pelo sim, está na hora de encomendar o berço, começar a lista do enxoval e buscar orientação sobre essa nova tarefa da vida: a de ser pais.

Então por que mesmo ter filhos? Não existe razão absoluta para isto. São pequenas coisas, que vão encher seu peito de um amor tão incondicional e darão um significado maior a sua vida. Você vai conhecer a pessoa mais linda do mundo e se apaixonar por ela todos os dias. Vai receber diariamente uma explosão de afeto que vai te impulsionar a melhorar e prosseguir mesmo diante das dificuldades. Você vai receber o sorriso mais lindo, mais sincero e mais impactante de sua vida, e isto apenas porque você está ali. Vai ganhar um abraço que vai envolver seu mundo e fará todo seu esforço valer a pena. Você vai se sentir um super herói e ainda vai ter alguém que vai acreditar que você é mesmo um super herói. Você vai ouvir o mais doce e sincero eu te amo. Vai entender a propaganda do Mastercard: “existem coisas que o dinheiro não compra”. Vai brincar de esconde esconde e de guerra de travesseiros. Vai comprar um livro de piada infantil e se deliciar com risadas até a barriga doer. Vai entender o valor das pequenas coisas. Vai crescer emocionalmente e espiritualmente. Vai ganhar razão para prosseguir e conquistar. Vai sentir tanto orgulho como nunca imaginou. Vai amar e entender mais os seus pais. Aprenderá muito mais que vai ensinar. Vai cuidar melhor da sua saúde, pois vai querer viver muito para estar ao lado desta pessoa que vai ganhar o seu coração. Vai descobrir um mundo novo, mais bonito e cheio de esperança. E vai perceber que o tempo, as vezes, vai parecer parar diante de tamanha alegria e prazer que você vai experimentar.

Já contei para vocês que meus filhos são minha maior alegria, sou completamente apaixonada por eles, foi bom desde o primeiro instante em que eu soube que existiam em minha barriga. E foi lindo sempre! Hoje estão grandes e só validam todo esforço e empenho que tivemos. Existem momentos difíceis? Claro que sim! Desde as cólicas aos medos e preocupações, mas isto é ínfimo diante de toda experiência de amor e de vida por tê-los.

Um grande abraço e até o próximo post.